Desde que a Agência Internacional de Energia (IEA) lançou a Iniciativa pelo Veículo Elétrico em 2009, com apoio de 16 países, a frota mundial de carros movidos a combustível não fóssil multiplicou-se por cem.

Segundo o último relatório da IEA (Global EV Outlook 2016), o estoque mundial de carros elétricos chegou a 1 milhão 260 mil no final de 2015 – um aumento de 70% sobre o ano anterior.

O carro elétrico já supera a barreira de 1% da frota nacional de veículos em sete países, entre eles China (1%), Reino Unido (1%) e França (1,2%).

Na Noruega, o veículo elétrico representa nada menos do que 23% do mercado local. Na Holanda, chega a 9,7%. Na Suécia, a 2,4%.

No primeiro semestre de 2016, a comercialização de carros elétricos em toda a Escandinávia (Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia) atingiu 5% das vendas totais de veículos.

dscf0521

Ônibus 100% elétrico da Metra, fabricado pela Eletra: tendência mundial em transporte público para o século 21

EUA e China

A participação do carro elétrico também é crescente em grandes mercados como Estados Unidos (0,7% da frota em 2015), Alemanha (0,7%) e Japão (0,6%). Em Portugal, chega a 0,7%.

Em 2015, 550 mil veículos elétricos (VE) foram vendidos nos 40 países cobertos pelo relatório da IEA, que representam 98% do mercado global de VEs (Brasil e América Latina não estão incluídos).

Segundo a IEA, 2015 é também o ano em que a China posicionou-se como o mercado mais dinâmico do veículo elétrico em todo o mundo, superando os Estados Unidos.

Juntos, esses dois países respondem por mais da metade do mercado mundial, com uma participação de 700 mil unidades para um estoque total de 1 milhão 260 mil VEs.

E embora a frota dos EUA ainda seja superior à da China (404 mil VEs, contra 312 mil), o país asiático superou seu rival em vendas de carros elétricos em 2015 (207 mil novos registros, contra 114 mil).

A China tem também a maior frota de ônibus elétricos do mundo, com 173 mil unidades (2015), e a meta do governo é chegar a 200 mil em 2020.

O país asiático é também, e por larga margem, o líder mundial do mercado de motocicletas e ciclomotores elétricos, com uma frota estimada (as estatísticas são imprecisas) em 200 milhões de unidades.